Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Migrações no Rio Grande do Sul

Atualmente mais de 1 milhão de gaúchos residem em outros estados do Brasil

O Rio Grande do Sul, no início do século XX, tinha 12% da sua população composta por estrangeiros, índice bem superior ao do Brasil. Este fato é resultante do intenso fluxo migratório para o Estado no final do século XIX. Essa tendência mudou ao longo do tempo, indicando um aumento de pessoas com origem em outros estados brasileiros.

Depois de 1990 o número de migrantes de outros Estados brasileiros já era proporcionalmente superior ao de estrangeiros. Os dados do Censo de 2010 indicam um total de 347.036 pessoas residentes no Estado com local de nascimento em outro estado brasileiro.

De outro lado, o número de gaúchos que, a partir de 1940, passaram a habitar outras unidades da Federação também cresceu. A emigração no Estado aumentou significativamente até os anos 70, tendo como destinos preferenciais Santa Catarina e Paraná. Nas décadas seguintes o fluxo de gaúchos teve como destino predominante a região Centro-Oeste. Em 2010 o Censo identificou 1.066.500 gaúchos residindo em outros estados brasileiros.

Outro aspecto importante da dinâmica demográfica gaúcha são as migrações inter-regionais. Cerca de 80% dos migrantes gaúchos apresentam o próprio Estado como destino. Estes movimentos acompanham a dinâmica econômica e social do Estado, concentrando os fluxos nas regiões mais dinâmicas.

Em termos absolutos, os COREDES que mais tem recebido migrantes são Metropolitano Delta do Jacuí, Vale do Rio dos Sinos, Serra e Produção.  Em termos relativos, os que apresentaram maior saldo foram as regiões do Litoral, Paranhana-Encosta da Serra, Serra e Vale do Caí. Por outro lado, os que apresentam as maiores taxas de população rural foram os que mais perderam  população, destacando-se em termos relativos os COREDEs Médio Alto Uruguai, Fronteira Noroeste, Missões, Noroeste Colonial, Alto da Serra do Botucaraí e Nordeste, todos com saldos inferiores a -5%.

Deve-se destacar entretanto que as perdas de população não são homogêneas. Mesmo nas regiões que perderam população os municípios pólo têm apresentado crescimento positivo, embora em volume inferior aos das regiões perimetropolitanas, que tem concentrado maior número de migrantes. 

Taxas de Emigração¹, Imigração² e Imigração Interna³ no Rio Grande do Sul - 1940 a 2010
gráfico_taxa_migrações_brasil_1940 2010

Fonte: Jardim e Barcellos. Migrações no Rio Grande do Sul. VII Encontro Nacional Sobre Migrações de Tema Central: Migrações, Políticas Públicas e Desigualdades Regionais.

¹ Taxa líquida de Emigração = (naturais do RS residentes fora do Estado, exceto país estrangeiro) / População total de naturais do RS, exceto o que residem em outro país)*100                               

² Taxa liquida de Imigração = (não naturais do Estado residentes no RS, inclusive estrangeiros / População Total do RS)*100

³ Taxa liquida de Imigração Interna = (não naturais do Estado residentes no RS, exclusive estrangeiros / População Total do RS)*100 

Arquivos para download

Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul