Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Coeficiente de Mortalidade Infantil

O Rio Grande do Sul apresenta um dos menores Coeficientes de Mortalidade Infantil do Brasil

O coeficiente de mortalidade infantil é utilizado por todos os países como um dos mais sensíveis indicadores de saúde, pois a morte de crianças menores de um ano é influenciada direta ou indiretamente por condições de história e idade materna, consangüinidade, procedimentos perinatais, condições e tipo de parto, pré-natal, prematuridade, baixo peso ao nascer, más formações congênitas, mães portadoras de doenças infecto-contagiosas, condições socioeconômicas, entre outros fatores de risco. Reflete a qualidade dos cuidados pré e pós-natal das crianças, além de demonstrar a eficácia das políticas públicas em relação às ações de prevenção com a saúde materna.

De acordo com o Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil do PNUD - Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento, o coeficiente de mortalidade infantil no Rio Grande do Sul apresentou-se bem inferior ao do Brasil em 1991; 2000 e 2010. Entre os 27 estados brasileiros, o Rio Grande do Sul era, em 2010, o segundo com menor coeficiente de mortalidade infantil, superado apenas por Santa Catarina. Os últimos dados disponíveis para o RS do DATASUS registraram para o RS, em 2014, o valor de 10,1 óbitos/1.000 n.v.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde (SES RS), os dois componentes principais do indicador: a mortalidade neonatal (de 0 a 28 dias) e a pós-neonatal ou infantil tardia (de 28 a 364 dias), passaram respectivamente, de 9,5 em 2000 para 7,2 em 2015 e de 5,6 em 2000 para 2,9 em 2015. Entre os municípios, os dados da SES RS, demonstraram que, persiste um número significativo de municípios com coeficientes acima da média do Estado. Em 2015, 176 municípios do RS – 35% do total apresentaram Coeficiente de Mortalidade Infantil superiores à média do Estado (10,1 óbitos/1.000 n.v.). Deve-se ressaltar ainda, que a grande maioria destes municípios contam com população absoluta e número de nascimentos muito baixos sendo, portanto, onde os casos de morte repercutem com mais intensidade nas taxas de mortalidade.

Coeficiente de mortalidade infantil no Brasil e RS - 1991, 2000 e 2010 (óbitos/1000 n.v.)
Coeficiente de mortalidade infantil no Brasil e RS - 1991, 2000 e 2010 (óbitos/1000 n.v.)

Fonte: PNUD. Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil 

Evolução do coeficiente de mortalidade infantil, neonatal e pós-neonatal no RS - 1970-2015 (óbitos/1000n.v.)
Infant mortality coefficient in Brazil and Rio Grande do Sul - 1991, 2000 e 2010 (deaths/1,000 LB)
Fonte: SES RS/ Estatísticas de Saúde

Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul