Governo do Estado do Rio Grande do Sul
Início do conteúdo

Fumo

O Rio Grande do Sul é o maior produtor de fumo em folha do Brasil

Ásia e América são os maiores produtores de fumo com 66% e 21%, respectivamente, da produção mundial. Entre os países, a China é o primeiro e o Brasil o segundo maior produtor mundial de fumo e é, atualmente, o maior exportador do produto. Em 2011, o Brasil produziu 951.933 toneladas do produto.

Entre os estados, o Rio Grande do Sul é o maior produtor de fumo em folha. De acordo com a Pesquisa Agrícola Municipal do IBGE, o RS registrou em 2011 a produção de 499.455 toneladas. Considerando a última década, o Estado apresentou aumento da quantidade produzida, passando de uma média de 310.966 toneladas/ano no período de 2000-2002 para uma média de 428.983 toneladas/ano no período 2009-2011. Deve-se observar, no entanto, que a área plantada com esta cultura apresentou trajetória de aumento entre 2000 e 2005 e queda até 2007. De 2008 a 2011 vem mantendo um patamar em torno de 220.000 hectares.  A quantidade produzida oscilou ao longo dos 10 anos considerados, mantendo uma trajetória de aumento pouco acentuado. 

A cultura é desenvolvida principalmente pela pequena propriedade familiar por necessitar de mão-de-obra intensiva, sendo que grande parte da produção distribui-se no entorno das indústrias de transformação e beneficiamento localizadas, na sua grande maioria, na região do Vale do Rio Pardo, no centro-leste do Estado. Outro núcleo de produção importante está localizado no centro-sul do Estado. No período 2009 a 2011, doze municípios apresentaram produção média superior a 10.000 toneladas/ano. Três deles apresentaram produção média variando de 18.975 toneladas/ano a 24.933 toneladas/ano: São Lourenço do Sul, Candelária e Venâncio Aires. Estes três municípios, somados a nove outros municípios – Santa Cruz do Sul, Canguçú, Camaquã, Vale do Sol, Arroio do Tigre, Dom Feliciano, Agudo, Vera Cruz e Pelotas, respondem por aproximadamente 43% do total da quantidade produzida de fumo no Estado.

De outro lado, é importante destacar que o fumo vem sendo alvo de políticas de substituição e diversificação de culturas no Rio Grande do Sul em função da tendência de queda do consumo mundial pelo aumento das restrições aplicadas nos principais países consumidores. Estas restrições estão ligadas a consciência crescente sobre os efeitos negativos resultantes do hábito de fumar. De acordo com VARGAS & OLIVEIRA* "a região do Vale do Rio Pardo representa um importante elo na indústria fumageira do Brasil, (...), sustentando uma extensa rede que conecta pequenos agricultores a empresas fumageiras transnacionais e aos mercados globais. A maioria dos 25 municípios que integram essa região é substancialmente dependente das atividades associadas à cultura do fumo e à indústria fumageira. Mas, ainda que esta dependência econômica tenha criado barreiras consideráveis à substituição do fumo por culturas alternativas, a região também apresenta iniciativas importantes voltadas ao aprimoramento da produção agroecológica".

* VARGAS, Marco Antonio e OLIVEIRA, Bruno Ferreira de. Estratégias de diversificação em áreas de cultivo de tabaco no Vale do Rio Pardo: uma análise comparativa. Rev. Econ. Sociol. Rural [online]. 2012, vol.50, n.1, pp. 157-174. ISSN 0103-2003.

Média da quantidade produzida de fumo em folha, segundo o período, nos maiores estados produtores e Brasil (Toneladas)
graf fumo media estados prod 2000 2011


Fonte: IBGE. Produção Agrícola Municipal

Evolução anual da área plantada e da quantidade produzida de fumo em folha BR e RS - 2000-2011
tab fumo area quantidade rs br 2000 2011


Fonte: IBGE. Produção Agrícola Municipal

Arquivos para download

Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul